Transtorno de personalidade limítrofe: Saiba o que é e como ajudar seu parceiro! | Me Apaixonei

Transtorno de personalidade limítrofe: Saiba o que é e como ajudar seu parceiro!

1555
0
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

Poucos quadros clínicos são tão complexos quanto o transtorno de personalidade limítrofe (transtorno mental caracterizado por humor, comportamentos e relacionamentos instáveis) ou borderline.

Agora, além dos tratamentos, além da biogenia ou da psicogenia, reside no cenário psicossocial do próprio paciente, onde seu ambiente pessoal e familiar não sabe o que fazer, o que não fazer ou como ajudar um ente querido que exige cuidados.

Daí a questão deste artigo: como ajudar um parceiro com transtorno de personalidade limítrofe.

Muitas vezes, quando falamos sobre doenças mentais ou qualquer tipo de transtorno psicológico, nos limitamos a enumerar as características e a abordar as origens e desencadeio do mesmo, esquecendo um aspecto chave.

Deixamos de lado o universo pessoal e relacional dessa pessoa: quer queiramos ou não, é perdido, sufocado e encurralado nas barreiras de sua própria mente.

Qualquer especialista em psicologia sabe que nada é tão desafiador e complicado de avaliar e tratar como distúrbios de personalidade. Há uma grande sobreposição de sintomas, muitos falsos positivos (pessoas que são mal diagnosticadas) e, embora os manuais de diagnóstico, como o DSM-V, ajudem a esclarecer alguns traços, o imenso labirinto psicopatológico é freqüentemente ignorado, e, em particular, transtorno de personalidade limítrofe. Por isso, é tão complicado saber como ajudar uma pessoa com transtorno de personalidade limítrofe.

 

Características gerais de pessoas com transtorno de personalidade limítrofe

As pessoas com transtorno de personalidade limítrofe caracterizam-se precisamente apresentando um padrão de instabilidade em suas relações interpessoais, auto-imagem e afetividade.

  1. Suas mudanças de humor são extremas.
  2. Podem simplesmente começar a odiar as pessoas que estão a sua volta.
  3. Eles apresentam comportamento impulsivo e irracional.
  4. Eles têm sentimentos crônicos de vazio e sensação de abandono.
  5. Eles têm idéias paranoicas ou sintomas transitórios.
  6. Eles geralmente derivam em comportamentos auto-prejudiciais e tendências suicidas.
  7. Eles usam mecanismos de defesa abundantes, como negação ou projeção, o que torna mais difícil tomar consciência de sua doença e sua capacidade de assumir a responsabilidade por si mesmos.

Deve-se notar que, como em muitas outras condições psicológicas, transtorno de limitação de personalidade não possui uma “cura mágica”. Não há uma terapia infalível que irá desativar a montanha-russa de seus momentos de humor, seus extremos, seus medos e vazios. O que temos à nossa disposição são diferentes tipos de tratamentos onde terão algo de essencial: recuperar a estabilidade emocional e melhorar a qualidade de seus relacionamentos.

Este é o primeiro passo para saber como ajudar uma pessoa com transtorno de personalidade limítrofe.

 

Como ajudar uma pessoa com transtorno de personalidade limítrofe

Se você está ao lado de uma pessoa que sofre com essa doença, é de suma importância que leve em conta esses três aspectos:

  1. Você não é o responsável por isso tudo
  2. Você não será capaz de curá-lo(a)
  3. Você não será capaz de controlá-lo(a)

Uma vez que esses aspectos são esclarecidos, vejamos agora o que podemos fazer para ajudar uma pessoa com transtorno de personalidade limítrofe. Vamos seguir com as orientações práticas:

  • Como já salientamos nesse post, esta doença é uma amalgama de psicopatologias tão complexa quanto devastadora. Às vezes, juntamente com o transtorno em si, aparece também a depressão, o transtorno bipolar, transtornos de ansiedade, transtornos alimentares, abuso de substâncias…
  • É essencial que você se atente a todos os sintomas e características.
  • Além disso, e embora o transtorno do limite de personalidade seja tratável, é comum que esses pacientes evitem e ignorem qualquer ajuda.
  • Portanto, é imperativo que favoreçamos a adesão a terapias e tratamentos farmacológicos.

Aprenda a se comunicar com ele(a)

Pessoas com transtorno de personalidade limítrofe podem dizer coisas cruéis e irracionais. Eles temem ser abandonados e deixados de fora, daí eles entra em erupção e partem para ataques de raiva e abuso verbal.

Especialistas dizem que é como ter “dislexia auditiva”. Eles ouvem palavras desordenadas, de dentro para fora, de lado a lado e sem contexto.

Quando eles são verbalmente agressivos, lhes diremos que “agora não é um bom momento para falar, que para nós eles são importantes e que ser capaz de ajudá-los é melhor se comunicar quando estão relaxados”.

Quando você estiver calmo, nos concentraremos mais em suas emoções do que em suas palavras para validá-las, conciliar afecções e dar ajuda.

Não importa que o que eles dizem é sem sentido ou irracional. Devemos fazê-los sentir ouvidos e suportados.

Se, em qualquer ponto, eles voltarem a atacar ou agredir, é melhor afastar-se deles antes de cair em uma discussão e intensificar ainda mais os sintomas.

 

Estabeleça limites saudáveis com a pessoa com transtorno de personalidade limítrofe

Uma das formas mais eficazes de ajudar um parceiro com um transtorno de personalidade limítrofe é levá-los a obter controle sobre seu comportamento. Para fazer isso, vamos impor limites onde você pode regular e, acima de tudo, entender que você deve continuar com seu tratamento.

Todos os membros da família devem concordar com esses limites e padrões. Vamos estabelecer o que é e o que não é permitido.

 

O que não podemos fazer com a pessoa com transtorno de personalidade limítrofe

  1. Ameaçar ou dar ultimatos.
  2. Tolerar o comportamento abusivo.
  3. Permitir que ela pare o tratamento.
  4. Não podemos ignorar suas ameaças de suicídio.

Para ajudar alguém com transtorno de personalidade limítrofe, primeiro tome cuidado. Para fazer isso:

  1. Não devemos nos isolar e reduzir toda a nossa vida em torno da pessoa com transtorno de personalidade limítrofe.
  2. Não negligenciaremos nossa saúde.
  3. Podemos levá-la a um grupo de pessoas que estão passando por essa mesma situação
  4. Aprenderemos técnicas para gerenciar o estresse.

Para concluir, alcançar essa aliança terapêutica entre o paciente, sua família e os profissionais que tratam a pessoa não é algo simples, mas não impossível. Ajudar uma pessoa com transtorno de personalidade limítrofe é um desafio diário, uma estrada acidentada mas gratificante, afinal, quando neutralizamos a impulsividade e semeamos nelas uma tomada de decisão mais racional do que emocional.

Obter melhorias saudáveis nesses pacientes é um trabalho em que todos contamos, onde todos somos agentes ativos com o mesmo objetivo: ajudar uma pessoa com transtorno de personalidade limítrofe.

Veja também:

Depressão não é tristeza. Por favor, pare de dizer para eu escolher a felicidade

Compartilhe esse post:
Hospedagem de Sites e Blogs

Deixe seu comentário: