Introvertido? 5 passos para superar seus MEDOS e INSEGURANÇAS | Me Apaixonei

Introvertido? 5 passos para superar seus MEDOS e INSEGURANÇAS

63
0
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

Foto: https://unsplash.com/photos/RRgJcY3b9GQ

Uma das maiores lutas de um introvertido é ter que lidar com um medo paralisante.

Pesquisas mostram que o cérebro introvertido é programado para buscar segurança; portanto, riscos menores causam reações protetoras com mais frequência do que em extrovertidos.

Além disso, os introvertidos tendem a ser mais sensíveis a emoções fortes porque se concentram mais em suas sensações internas. Como resultado, o medo se concentra na vanguarda da situação e requer a energia que seria necessária para executar a tarefa.

O medo não é inerentemente algo negativo.

Como todas as emoções, é uma reação à estimulação externa ou interna. Seu objetivo é nos dizer como uma determinada situação está nos afetando e se mobilizar para mantê-la ou alterá-la.

O problema começa quando o medo se torna excessivo e impede o curso de ações importantes. Para os introvertidos, o medo de “passar vergonha” por exemplo, geralmente ocorre em situações sociais.

Continue descendo e veja os 5 passos para superar seus MEDOS e INSEGURANÇAS!

1. Aprenda como funciona

Antes de enfrentar um inimigo, é importante conhecer seus pontos fortes e fracos. Descubra sua área de interesse. Como o medo do fracasso interfere na sua vida acadêmica?

O medo tem sido um obstáculo na sua vida amorosa? Quais são os sinais físicos e psicológicos do medo?

Depois de reunir o conhecimento básico sobre “medo”, você pode começar a aplicar essas informações em sua experiência específica e, consequentemente, se sentirá mais capaz de enfrentá-las.

Lembre-se de que todos os recursos encontrados, como livros, artigos, sites ou profissionais de psicologia, podem te ajudar nessa jornada.

VEJA TAMBÉM: DEUS, EU NÃO SEI O QUE O FUTURO ME RESERVA, MAS ESTOU CONTANDO CONTIGO

2. Esteja ciente do seu medo

Depois que você se familiarizar com o “medo”, é hora de examinar seus próprios sentimentos. Como isso faz você se sentir? Concentre-se na localização dessa sensação em seu corpo.

Você sente o medo na sua barriga, no seu peito ou na sua garganta?

Conheça o seu medo para que, na próxima vez que ele apareça, você possa identificá-lo rapidamente e trabalhar contra ele com mais eficácia.

Muitos psicólogos até aconselham nomear seu medo em voz alta, com o máximo de detalhes possível, para assustá-lo.

3. Encare seu medo!

Também é importante que você aceite o medo em vez de tentar encobri-lo ou negá-lo. Os introvertidos tendem a evitar lidar com sentimentos negativos, o que pode levar ao estágio de “congelamento” que estamos tentando superar.

Quando você começar a perceber os sinais que explora no segundo passo, suponha que o medo esteja aparecendo e revise todas as estratégias que você já aprendeu (veja o primeiro passo!).

Essa tarefa pode ser realmente assustadora. Tenha isso em mente e seja gentil consigo mesmo. Não desista se, em sua primeira tentativa de enfrentar o medo, você acabar se frustrando. Os hábitos são fortes e mudá-los leva tempo e muito esforço.

Qualquer pequeno passo levará a melhorias. Quando você começar a estabelecer novos comportamentos, eles serão fortalecidos e não custará muito esforço para mantê-los no futuro.

VEJA TAMBÉM: PARA A GAROTA QUE SE SENTE COMPLETAMENTE PERDIDA

4. Lembre-se porque é importante

Você já se perguntou como os extrovertidos podem se comportar tão felizes nos ambientes sociais mais assustadores?

Uma das razões é que a interação social é uma recompensa tão grande que menospreza a emoção do medo. Dessa maneira, os riscos potenciais parecem comparáveis ​​com a possível compensação.

Para os introvertidos, o foco interno faz o medo parecer maior do que é, especialmente porque as abordagens sociais não parecem tão atraentes. Assim, nosso cérebro se acostuma a evitar situações em que esse medo aparece.

No entanto, é um mecanismo enganoso: algumas interações são importantes!

Você precisa se dizer isso quando enfrentar uma situação social desafiadora, em vez de deixar seus hábitos te levarem a um lugar seguro.

  • Por que preciso me envolver nessa conversa?
  • Como o contato com essas pessoas me ajudará em ocasiões futuras?
  • O que vou perder se evitar essa reunião apenas por causa desse sentimento momentâneo?

Responder essas perguntas lhe dará o tempo que você precisa para se acalmar enquanto estabelece o poder da tomada de decisões em sua mente consciente, em vez do inconsciente, o que te leva de acordo com experiências e hábitos passados.

Sua consciência ativa é muito mais seletiva; portanto, force-se a usá-la! Equilibre os riscos e as recompensas da situação atual e decida por si mesmo.

5. Repita!

Como sabemos, os seres humanos são seres de costumes. Nosso cérebro precisa de consistência para aprender a lidar com diferentes situações e desenvolver um certo comportamento (também conhecido como hábitos) que melhor lhes convém.

Esse mecanismo permite que nosso cérebro economize energia para outras tarefas, o que é o objetivo principal. No entanto, o mundo é imprevisível e sempre confiamos em ações que tiveram sucesso em experiências anteriores.

Como resultado, podemos precisar investir energia nessas circunstâncias críticas em que nosso comportamento aprendido pode levar a um resultado indesejado.

Você só pode fazer isso se colocando em situações diferentes e conscientemente conduzindo seu comportamento, aprendendo com seus resultados e ajustando progressivamente suas reações a cada cenário.

A perfeição nunca será uma opção, então vá com calma. Encontre o que funciona para você e faça você se sentir bem.

VEJA TAMBÉM:

Estou aprendendo a me despedir de tudo aquilo que não me faz bem

Compartilhe esse post:
Hospedagem de Sites e Blogs

Deixe seu comentário: