Voluntários Servem Comida Caseira Ucraniana para Refugiados da Guerra

“É muito gostoso conhecer pessoas de casa e compartilhar uma boa refeição”, diz Anna Zilenska

Sentada em um restaurante em Shankill, Dublin, Anna Zilenska, que fugiu de Kiev há um mês e vive com uma família irlandesa há uma semana com sua filha, disse que foi “incrível” finalmente comer uma refeição tradicional ucraniana.

Ela estava comendo o borscht, prato do leste europeu, que acredita-se ter se originado na Ucrânia. O prato é feito com beterraba vermelha, que lhe dá a sua cor distinta, e foi cozinhado por uma voluntária chamada Olena, do Centro de Crise Ucraniano (UCCI).

Voluntários da UCCI, um grupo formado nas últimas semanas em resposta à guerra na Ucrânia, serviram a tradicional “comida reconfortante” para cerca de 150 ucranianos no Gourmet Shankill Cafe Restaurant no domingo.

Anatoliy Prymakov, que é ucraniana e mora na Irlanda há 15 anos, ajuda a operar a UCCI e disse que o objetivo do evento é ajudar a trazer conforto aos ucranianos que chegaram à Irlanda e podem não saber falar inglês ou ter problemas de integração.

VEJA TAMBÉM: Família Unida: O que é, Como é e Como Fazer Acontecer

Anna Zelinska e sua família e amigos que chegaram à Irlanda da Ucrânia há uma semana. Fotografia: Alan Betson
Anna Zelinska e sua família e amigos que chegaram à Irlanda da Ucrânia há uma semana. Fotografia: Alan Betson

O dono do restaurante disponibilizou o espaço o dia todo para permitir que o grupo sediasse o evento.

“O objetivo é fazer com que as pessoas conheçam outros ucranianos, porque muitos deles estão presos em hotéis e ainda não têm conexões aqui. Eles precisam conhecer outras pessoas em situações semelhantes e desenvolver mecanismos de enfrentamento e trocar informações sobre como conseguir empregos e coisas assim”, disse Prymakov.

“É para ajudar a afastá-los da enxurrada de notícias ruins sobre a guerra também, porque muitas coisas terríveis estão acontecendo na Ucrânia.”

Para muitos, foi a primeira refeição tradicional feita junto com outros ucranianos em mais de um mês.

Prymakov disse que houve muitos eventos semelhantes em Dublin, mas estava “mais preocupado” com os ucranianos nas áreas rurais, que podem não ter oportunidades semelhantes de conhecer outras pessoas em casa.

VEJA TAMBÉM: 100 ideias aleatórias de BOAS AÇÕES. Espalhe sorrisos onde quer que você vá.

Anna Makkeo com Marta Bitar e sua filha Aisha. Fotografia: Alan Betson
Anna Makkeo com Marta Bitar e sua filha Aisha. Fotografia: Alan Betson

Anna Zilenska e sua nova amiga Natasha fugiram de Kiev há um mês e estão hospedadas em casas de famílias irlandesas vizinhas uma da outra em Dublin.

Elas não se conheciam até se conhecerem em Dublin. No domingo, elas trouxeram seus filhos ao restaurante para fazer uma refeição tradicional cercada por outras pessoas de seu país de origem.

“Isso é incrível. É muito gostoso conhecer outras pessoas de casa e compartilhar uma refeição juntos”, disse Zilenska.

Zilenska veio para a Irlanda com a filha, mas o marido teve que permanecer em Kiev.

VEJA TAMBÉM:
52 ideias de boas ações para fazer do mundo um LUGAR MELHOR

Casal viaja pelo mundo para fotografar e documentar HISTÓRIAS DE AMOR extraordinárias! (15 fotos)

Marcas se unem para realizar cerimônia de casal ridicularizado por pedido de casamento no KFC

“É muito difícil. Sentimos falta de casa. É bom estar aqui com outros ucranianos hoje”, disse ela.

Marta Bitar, de Lviv, vive na Irlanda há 9 anos, mas visitou a Ucrânia em janeiro para permitir que seus pais conhecessem sua filha Aisha, de um ano, pela primeira vez.

Em fevereiro, ela se viu fugindo do país para voltar para a Irlanda.

“Foi assustador. Eu nunca experimentei um medo como esse”, disse ela.

Quando Bitar se mudou para a Irlanda com o marido, ela achou os primeiros dois anos “incrivelmente solitários” e disse que não conseguia imaginar o quanto seria mais difícil para os ucranianos que foram forçados a fugir de seu país e podem não saber falar inglês.

Bitar achou difícil conseguir um emprego e fazer amigos.

“É por isso que esta é uma boa ideia”, disse ela. Uma tradicional refeição quente “faz as pessoas relaxarem e conversarem umas com as outras”.

“Espero que mais coisas como essa aconteçam.”

VEJA TAMBÉM: Cadela abandonada com 9kg de pelo emaranhado recebe transformação impressionante que salva sua vida

Compartilhe:
Rolar para cima