Leia isto sempre que estiver difícil seguir em frente | Me Apaixonei

Leia isto sempre que estiver difícil seguir em frente

226
0
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

Todo mundo parece ter uma maneira diferente sobre quanto tempo levaria para superar alguma coisa.

Se é um relacionamento, muitos dizem metade do tempo. Se for uma perda, dizem que aproximadamente um ano — tempo suficiente para passar por cada ocasião especial quando você está acostumado a tê-los ao seu lado.

Usamos expressões como “seguir em frente” e “deixar ir” como se fossem algo tão simples quanto fechar a porta de um carro. Nós desentrelaçamos nossos dedos e largamos tudo o que estamos segurando — isso é deixar ir? Isso é tudo?

Eu não acho que eu tenha experimentado uma única perda na minha vida que eu tenha superado no tempo que parece ter sido distribuído pela sociedade como “aceitável”. E eu suspeito que não estou sozinho nessa.

Não é da natureza humana deixar ir. Nós somos, no nosso núcleo, criaturas territoriais. Nós lutamos para manter o que amamos. Desistir não é de forma alguma um instinto de nossa raça.

Porque ninguém deixa ir de uma só vez. Você solta uma vez. E então você solta novamente. E então de novo e de novo e de novo.

Você deixa alguém ir quando vai ao supermercado mas não compra aquele tempero porque você sabe que te faz lembrar dele(a). Você o(a) deixa ir quando joga fora aquele perfume que te faz lembrar dele(a).

Às vezes você vai ter que deixar uma pessoa ir mil vezes, de milhares de maneiras diferentes, e não há nada de patético ou anormal nisso. Você é humano. E nem sempre é tão simples quanto tomar uma decisão e nunca olhar para trás.

Você não é um fracasso para chegar a algum lugar incrível e ainda se sentir como se uma parte de si estivesse faltando. As coisas ruins não desaparecem em um piscar de olhos e as coisas boas não surgem sem deixar pelo menos um pouquinho de dano colateral. Leva tempo para que tudo fique equilibrado. E deveria.

A verdade é que nenhum de nós quer pensar em nós mesmos como obras em andamento. Queremos que tudo aconteça instantaneamente: Se apaixonar, cair fora, abandonar o que sabemos que devemos deixar no passado e seguir em frente para o que vem a seguir.

Nós odiamos os espaços intermediários — os momentos em que estamos bem, mas ainda não chegamos lá. Os períodos em que suspeitamos que o crescimento está acontecendo, mas não temos nada a mostrar.

Os dias em que tudo parece estar se encaixando e ainda assim vamos para casa e choramos no travesseiro porque não há ninguém com quem compartilhar nossa boa sorte.

Se o sucesso é uma escada, nós estamos eternamente dando dois passos para frente e um passo para trás e tudo bem com isso. É assim que nos mantemos sob controle. É como nos impedimos de explodir.

Temos que ser pacientes com nós mesmos enquanto nos movemos pelas partes entre o lugar onde estivemos e para onde estamos indo.

Temos que deixar o tempo nos motivar em vez de nos desanimar. Não há problema em não estar lá ainda. Não há problema em não ter certeza de cada passo que você dá. Não falamos sobre como, às vezes, seguir em frente parece que estamos combatendo cada parte de nossos instintos mais básicos, mas devemos. Devemos falar sobre como o crescimento é tão doloroso quanto também é belo.

Porque o crescimento e o desapego estão tão interligados que muitas vezes só vemos um ou outro. Nós esquecemos que eles podem existir lado a lado — liberando o passado enquanto deixamos entrar o futuro. Esquecemos que temos a capacidade de fazer exatamente a mesma coisa. E se nós parássemos para pensar, poderíamos perceber o quão longe já chegamos.

VEJA TAMBÉM:

Uma carta para Deus, de minha ansiedade

Compartilhe esse post:
Hospedagem de Sites e Blogs

Deixe seu comentário: