Isto é para cada garota que colocou um vestido e não se sentiu bem o suficiente

297
0
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

Eu fui a um casamento recentemente. E eu comprei um vestido. Era o vestido perfeito. O tom perfeito de magenta para complementar a cor do meu cabelo e o meu tom de pele. Peguei emprestado um par de scarpins nude para usar com ele e senti que poderia, pela primeira vez, ser a linda garota correndo pelo pátio do castelo. Eu poderia ser uma bela sonolenta sonhadora, caminhando melancolicamente por um campo de flores silvestres. Pela primeira vez, eu poderia ser apenas a garota do vestido.

Mas quando olhei para as fotos, não vi essa imagem. Eu não vi uma beleza etérea. Eu vi o vestido perfeito, mas estava na garota errada. Eu vi uma garota que queria ser o suficiente, mas não era.

Nunca fui uma criança com excesso de peso. Eu gostava de andar de bicicleta e jogar vídeo game. Nunca pensei na minha aparência como algo que me definisse. Eu poderia mudar se eu quisesse também. Eu era uma linda princesa em um dia e uma astronauta fantástica no dia seguinte. Não me limitei a um olhar. Eu tinha todas as tonalidades de todas as cores. E estava tudo bem. Meu corpo era tudo que eu precisava e eu estava orgulhosa de meus joelhos com cicatrizes e alguns dentes faltando. Eu adorava ser alta e forte o suficiente para subir nas árvores mais rápido do que todos os outros. Meu corpo nunca pareceu que não era o suficiente.

VEJA TAMBÉM:

É engraçado, porque me lembro do momento exato que mudou para mim. A ideia de estar acima do peso nunca me ocorreu até um dia, quando eu tinha cerca de oito anos. E eu não era nem um pouco gordinha nessa idade. Lembro-me tão claramente, porque minha mãe tinha acabado de me comprar uma roupa nova”. Eu me senti bonita. Mas enquanto eu estava na fila para o banheiro em um berçário de igreja cheio de galinhas cacarejantes, uma mulher deu um passo em minha direção.

O nome dela era Bárbara e ela me assustava. E parecia que ela odiava crianças pequenas. Ela me cutucou na barriga e disse: “Você tem um cachorrinho aí.” Instintivamente, coloquei minhas mãos sobre meu estômago. E olhei para ela interrogativamente. O que isso significa? “Está tudo bem, não é tão ruim.” Ela disse enquanto consertava a barra da minha camisa e depois ia embora. Foi a primeira vez que tentei me tornar menor. Olhei no espelho depois disso e levantei minha camiseta, tentando entender por que ela havia dito isso e como eu poderia fazer aquele “vira-lata” ir embora.

Eu era muito alta para a minha idade, por isso, entre os cinco e os dez anos, superava a maioria dos meus colegas. Eu me sentia um gigante em comparação com todos os meus amigos, e a puberdade não ajudou. Comecei a usar sutiã aos 10 e comecei minha menstruação aos 11. De repente, meu corpo parecia estranho e eu não conseguia descobrir como caberia na minha nova pele. Eu estava mudando mais rápido do que queria. E meu amor por camisetas manchadas não iria me ajudar a me encaixar.

Anos se passaram e opiniões foram expressadas sobre meu corpo, mas eu ainda mantive um bom nível de confiança. Eu agora era uma artista, uma cantora, uma atriz e uma jogadora de vôlei. Eu não me elevava mais sobre os meninos e nunca questionei meu valor com base em um número em minhas roupas. E graças a Deus superei meu complexo de mãos. Eu não era uma garota elegante de forma alguma, mas estava bem com o que via no espelho.

Então eu me formei no ensino médio e foi quando tudo mudou.

VEJA TAMBÉM:

Eu li um artigo uma vez sobre como, se você passou por muitos traumas, seu cérebro irá realmente bloquear as memórias daquela época para ajudá-lo a lidar com traumas do passado. Tenho que ser honesta, a maioria das memórias desse período da minha vida são um borrão. Minha vida foi um furacão nos cinco anos que se seguiram à minha formatura e a única calmaria dessa tempestade foi o dia do meu casamento. Mas mesmo assim, não consegui usar o vestido dos meus sonhos. Eu não teria a chance de ser a linda garota do vestido. Quando olhei para as fotos daquele dia, não me reconheci. Não havia beleza angelical ali. Pela primeira vez na minha vida, eu era uma garota gordinha e nem era mais boa o suficiente para o mundo. Eu nem era boa o suficiente para mim mesma.

Então, alguns anos atrás, fui contratada como babá para a família de uma menina de seis anos chamada Bruna. Ela havia passado os primeiros anos de sua vida em um lar abusivo e acabara de ser adotada por uma família amorosa. Todos os dias em que eu aparecia, ela saia de seu quarto com outro vestido colorido e dançava e cantava pela sala de estar sem se importar com o mundo. Então ela corria até mim e girava e dizia: “Não sou bonita! Você me acha bonita? ” E meu coração doía, porque ela era a princesinha mais linda que eu já vi. E eu nunca diria o contrário. Ela não tinha um único sinal dos anos de abuso que tinha sofrido. Ela estava se esforçando em seu novo lar, deixando o arco-íris entrar onde a dor outrora choveu tanto. Ela sabia que era bonita, porque foi isso que o amor a ensinou. Ela era apenas uma linda garota em um lindo vestido.

Levei anos para superar todos esses sentimentos de inferioridade, para ver que sou mais do que meu reflexo. E aprendi que sou boa o suficiente. Eu não uso muito espaço neste mundo, mas apenas o suficiente. E toda vez que sinto que não estou à altura, penso na Bruna e como sua visão de si mesma se tornou algo lindo quando ela soube que era amada. Eu mereço ser amada. Todos nós merecemos. E talvez se pudéssemos voltar para o espelho e nos imaginar do ponto de vista de nossos eus de seis anos, veríamos algo tão diferente. Talvez veríamos a beleza em sua forma mais pura. E entenderíamos que um pouco mais de amor próprio faz muito mais diferença. Este mundo tem muito a dizer sobre qual deve ser nosso padrão de beleza, mas o que seu coração diz? O que essa versão de você de seis anos diria?

E então, eu escrevo isso para cada garota que colocou um vestido e não se sentiu bem o suficiente. Para cada garota que olhou uma foto sua e sentiu suas entranhas desmoronarem. Para todas que queriam que a vida dissesse algo diferente. Para cada mulher que carrega suas inseguranças como um fardo. Para cada pessoa que mudou e se tornou algo diferente e melhor.

Você é boa o suficiente. Vista o vestido, a camisa, a calça, a peruca, a lingerie, o biquíni na sua cor preferida. Use os saltos, as botas, os tênis, os chinelos que você quiser. E saiba que você é boa o suficiente. E você é linda.

Agora quando olho aquelas fotos de mim mesma naquele lindo vestido magenta, só vejo uma menina feliz que se amou o suficiente para usar o vestido, porque ela é linda com ou sem ele.

VEJA TAMBÉM:

Foto: Pexels

Compartilhe esse post:

Deixe seu comentário: