Coisas que eu aprendi por estar em um relacionamento tóxico | Me Apaixonei

Coisas que eu aprendi por estar em um relacionamento tóxico

2460
0
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

Eu não percebi o quão tóxico o meu relacionamento era até que fosse tarde demais. “Todo casal passa por isso”, eu pensei. Mas nem todos acabam se sentindo “burros” ou com menos auto-estima cada vez a cada xingamento ou injúria que passa.

Se qualquer outra pessoa tivesse me desrespeitado, teria sido completamente normal. Mas quando alguém que supostamente diz que te ama te trata desse jeito é terrível, é confuso é nojento.

Levei cerca de seis meses pra perceber que meu relacionamento estava mais tóxico do que eu imaginava. Começou como qualquer outro relacionamento. Tudo no começo era lindo e maravilhoso, depois casamos e fomos pra lua de mel. Mas à medida que as coisas se aprofundavam, os insultos, as ameaças e o descontrole também aumentavam. Mesmo quando ele viajava e estava à 1000 quilômetros de mim, parecia que eu estava sob vigilância constante 24 horas por dia.

Direto ele me chamava no Facebook e pedia pra fazer uma Face Time ou me pedia fotos pra saber aonde eu estava e o que eu estava fazendo. Eu mal sabia, mas minha vida tinha se tornada em um inferno. Fazer um exame? Ir trabalhar? Academia? Sair? Jamais! Tá louca? Isso é pra pessoas normais, não pra mim. A insegurança e a inveja se tornaram a base do nosso relacionamento.

Eu estava louca, não tinha mais prazer na vida pois nem na minha faculdade esse canalha me deixava ir. Eu estava enlouquecendo! Eu não exagero quando digo que minha vida se tornou em uma constante batalha. Tudo ia me consumindo, era exaustivo, destrutivo, longo e frequente. Como matar alguém devagar pra que essa pessoa sinta o máximo de dor.

Você provavelmente deve estar pensando: “Mas por que então você não saiu de uma vez por todas desse inferno?”

Bem… Não foi assim tão fácil. Nós brigávamos todos os dias, então eu comecei a focar nos raros dias em que não brigávamos. As vezes que ele era doce comigo me fazia acreditar que ele se preocupava, que ele se importava, como eu era burra. As vezes o amor é como uma droga, ele te vicia, te alucina e te dá boas sensações mas quando você percebe que está mal ai você não consegue sair.

Depois de dois anos morando em São Paulo, eu tranquei minha faculdade e fui morar no Sul para estar mais próxima dele. Burrice! As coisas só pioraram à um ponto de eu acreditar que estava presa em minha própria casa. Eu comecei a imaginar que não teria mais minha vida de volta. E no final, quatro anos depois eu sequer tinha minha própria felicidade.

Uma semana depois que me formei na faculdade nós nos mudamos para Campinas, interior de São Paulo pelo trabalho dele. Lá eu tive a oportunidade de estar sozinha e refletir sobre minha vida. Comecei a praticar mais esportes, sair mesmo que sem ele saber. Isso começou a tirar os sacos de lixo de cima de minhas costas. Foi aí que eu tomei a decisão mais importante da minha vida. Nós separamos!

Além de encontrar a felicidade, aqui estão algumas coisas que eu aprendi com esse relacionamento tóxico:

1. Eu aprendi a ser uma mulher independente que não precisa de mais ninguém pra ser feliz.

A única pessoa que eu era capaz de confiar durante esses quatro anos era em mim mesma. Meu parceiro não estava me tratando bem, meu relacionamento com meus pais dificilmente existia, e eu fui forçada a cortar as amizades. Eu mudei, os calos já estavam bem grossos e eu decidi abrir minhas asinhas e voar pra onde eu queria!

2. Aprendi a detectar um canalha mesmo que seja a quilômetros de distância

Graças a essa relação eu sei exatamente o que diferencia um pirralho criado com a vó de um verdadeiro homem. Toda essa situação que eu passei soa como música para meus ouvidos hoje em dia. O triste é que tive que passar pelo inferno para conhecer o céu. Tive que experimentar um canalha pra saber como um homem deve me tratar.

3. Eu tenho ZERO de tolerância para qualquer um que me desrespeite

É, eu disse ZERO. Não me importa mais quem você é. Me tratou mal eu não tolero mais!

4. Eu não seria a mulher que sou hoje

Se não fosse por tudo o que eu passei, não seria a mulher confiante, independente e forte que sou hoje. Talvez eu até fosse um dia, mas as situações definitivamente aceleraram o processo. Tenho orgulho de quem me tornei e espero usar minhas lutas do passado como um exemplo para outras mulheres para que elas não tenham que aprender da maneira mais difícil.

Se você sente que não consegue deixar o seu relacionamento tóxico, não se sinta envergonhada ou envergonhado. Eu já passei por isso e sei o quanto é difícil. Porém, o primeiro passo que devemos dar é o ‘tentar’. Tente!

Compartilhe esse post:
Hospedagem de Sites e Blogs

Deixe seu comentário: