"Sim, você pode estar sendo estuprada pelo seu marido — aconteceu comigo" (história real) | Me Apaixonei

“Sim, você pode estar sendo estuprada pelo seu marido — aconteceu comigo” (história real)

155
0
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

Você me olha como se fosse um predador à espreita. Eu mal posso respirar quando você me chama para se juntar a você na cama.

Eu me esforcei para encontrar as palavras para o que aconteceu comigo na outra noite. Eu chorei e passei quase uma hora em fuga com a minha melhor amiga — então eu contei tudo a ela.

Tudo no meu corpo e minha mente estava gritando que era uma violação, uma penetração indesejável que, se não fosse meu marido, teria sido motivo para relatar aquela noite para as autoridades.

As pessoas dizem que “não” significa “não” e isso é o suficiente e que os homens devem respeitar nosso pedido. Frases como “meu corpo, minhas regras” e “suposição não é consentimento” nos bombardeiam através da grande mídia, mas as linhas da realidade são frequentemente muito mais confusas.

Será que isso pode ser rotulado como agressão, mesmo se você estiver em um relacionamento sério? É realmente estupro se você disser inicialmente não, mas eventualmente se cansar de lutar?

Eu. Você. Minhas pernas arranham os lençóis enquanto tento me afastar. Meu apelo desamparado de “por favor, não” é instantaneamente encontrado com: “Oh, você vai gostar.”

Quando eu compartilhei a história com minha melhor amiga, uma sensação esmagadora de vergonha tomou conta de mim. Eu me senti completamente imunda, como se tivesse acabado de sair de um poço lamacento… exceto que na verdade eu tinha saído da cama com meu marido.

VEJA TAMBÉM: 7 HÁBITOS TÓXICOS DE PARCEIROS EMOCIONALMENTE ABUSIVOS

Eu não pudia esquecer as imagens que rodavam dentro da minha cabeça. Desejei desesperadamente que minha mente pudesse funcionar como um Etch-A-Sketch (clique aqui se você não sabe o que é) e que, de alguma forma, eu pudesse limpar a lousa.

Foto: Google Imagens

Você. Eu. O desejo irradia de seu corpo, enquanto o meu, sem vida, repousa sobre o colchão. Antes que eu perceba, estou completamente nua… e você… também.

De repente, aquela voz na parte de trás da minha cabeça começou a sussurrar, “você sabe que isso foi tudo culpa sua.” Afinal, eu finalmente desisti e deixei que ele tivesse o que queria comigo, não é mesmo?!

Antes que eu percebesse, eu estava me convencendo de que eu merecia tudo o que acontecia, que eu devia ao meu parceiro alimentar seus desejos sexuais. Era meu dever satisfazer sua fome, mesmo quando eu não queria, mesmo quando estava com medo, mesmo quando eu dizia não.

Minha amiga continuou usando palavras como “violada” e “indesejada”. Ela insistiu que o incidente não era minha culpa várias vezes durante nossa conversa. Ela validou minhas emoções intensas e trabalhou a magia que só ela possui para acalmar a tempestade dentro de mim.

Ela me lembrou que eu ainda sou linda e digna de muito amor incondicional, mesmo que neste momento eu me sentisse inútil e sozinha.

Eu. Você. A brisa fresca do ventilador tortura minha pele nua enquanto o suor flutua do seu corpo para as minhas narinas.

O que o Google em meio a madrugada me levou a descobrir é o seguinte:

O estupro conjugal é totalmente real, e muitas vezes acontece exatamente como tudo aconteceu para mim. A linguagem exigente. Minhas desculpas e objeções. Os toques indesejados dele me puxando e agarrando meus seios, em seguida, descendo. A impressão de que como eu lhe devesse alguma coisa. Meu silêncio e corpo sem vida ali, enquanto meu cérebro tentava desesperadamente escapar para uma realidade diferente, onde seu rosto e corpo não estivessem pairando sobre mim.

A triste realidade é que mais de 10% das mulheres casadas sofreram agressões sexuais forçadas por parte de seus cônjuges. Embora o estupro conjugal tenha finalmente recebido reconhecimento no início dos anos 90, muitas autoridades ainda mantêm exclusões de processo por estupro quando a vítima é casada com o agressor.

As pessoas realmente acreditam que o estupro conjugal é menos prejudicial do que qualquer outro caso de estupro, embora, sinceramente, eu não consiga entender o por quê. Não deveríamos nos sentir mais seguras em nossas próprias casas com nossos parceiros?

Você. Eu. Eu olho para o seu rosto cheio de prazer e tento não vomitar enquanto você chega ao clímax. Em vez disso, eu me dissoco quando começo a sentir a dor da penetração forçada.

O estupro conjugal não acontece porque a esposa está retendo o sexo. De fato, muitas vítimas relatam que têm sexo consensual com seus parceiros regularmente. Muitos homens usam o estupro conjugal ou agressão sexual para expressar controle, agressão ou dominação.

Além disso, ao contrário de casos de estupro que vemos por aí em que a vítima é atacada apenas uma vez, o estupro conjugal pode ser um evento recorrente durante todo o casamento.

Eu. Você. Eu derramei lágrimas silenciosas enquanto você desfrutava de mais um sono repousante cheio de satisfação.

Foto: Unsplash.com

Eu nunca pensei que meu marido e eu estaríamos conectados por essa palavra: estupro. No entanto, aqui estou eu, tentando me recompor depois de mais uma longa noite.

VEJA TAMBÉM:

Baixa autoestima está quase sempre ligada a Relacionamentos Abusivos!

Compartilhe esse post:
Hospedagem de Sites e Blogs

Deixe seu comentário: