Existem 7 tipos de Relacionamento. Em qual desses o seu se encaixa?

3668
1
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

O amor é um sentimento pra lá de complexo. Os apaixonados normalmente nem sabem por que razão caíram de amor por determinada pessoa.

Mas de forma pura e simples o amor acontece! Não é necessário haver explicação, nem há uma explicação lógica. Sim, até parece que estamos falando sobre o título de um filme. De fato no filme “O Amor Acontece” (2003) nos deparamos com histórias de amor de todos os tipos e até das mais impensáveis.

E na vida real acontece o mesmo. Este sentimento arrebatador pode surgir a qualquer momento, deixando do avesso a vida de qualquer um. Quando é correspondido, vive-se um sonho; quando não, é melhor nem falarmos nisso…

O amor se baseia em três pilares: intimidade, paixão e compromisso. Quase todo mundo experimenta um ou dois desses sentimentos, mas é difícil sentir os três durante um relacionamento. Por isso, hoje nós te desafiamos a conhecer os sete tipos de amor. Veja a lista abaixo e identifique qual é o seu:

1. Relacionamento Apaixonado

Este relacionamento é rodeado de um certo componente lúdico, tornando a relação divertida. Porém, não é assim tão simples quanto isso. Há um grande fulgor, por isso o componente sexual é alto e a relação vive da atração e do elevado sentimento de posse (e a necessidade de ser possuído).

Por norma, é com este tipo de amor que nascem os restantes. Isto porque depois da paixão surgem sentimentos mais profundos, como uma maior identificação, empatia e até a comunicação se torna mais íntima.

A partir daqui os enamorados fazem planos para construir um futuro juntos. No entanto, também é possível que o casal fique apenas na paixão, deixando de descobrir um universo mais amplo, geralmente associado às relações amorosas. Este tipo de amor é perigoso, porque cada pessoa pode caminhar para seu lado, em vez de seguirem os dois na mesma direção.

2. Relacionamento Romântico

Este é um relacionamento que você vê muito nas comédias românticas. Só que ironicamente, na vida real, tem um final pouco feliz, porque o sexo e a intimidade não são prioridades.

O casal pode até passar muito tempo na cama, mas é acordado até tarde, falando apenas sobre a sua vida, desde a infância. Se você está se identificando com este tipo de relacionamento é porque você quer apenas que o seu parceiro(a) o(a) compreenda e saiba tudo a seu respeito.

No entanto, a questão não vai além disso, porque o tema “compromisso” é inexplorado. Este é o relacionamento daqueles sonhadores que apenas querem colmatar um vazio com alguém. Isto não quer dizer que não estejam apaixonados. Estão! Mas esquecem-se dos prazeres íntimos que compõem um relacionamento.

3. Relacionamento Amigo

Este é um relacionamento muito bonito e interessante, mas insuficiente. Aqui não há paixão, pois a química e a atração sexual são quase inexistentes. Este relacionamento se baseia na total confiança, compreensão plena e carinho.

Nestas ocasiões, uma forte amizade até pode evoluir para uma paixão, mas se isso só ocorre com um dos elementos, corre-se o risco de se perderem em definitivo.

4. Relacionamento Companheiro

Não é perfeito, mas depois de anos de relacionamento, é quase inevitável. Como é difícil manter intacta a chama dos primeiros tempos, o sexo e a loucura são substituídos por uma maior intimidade e compromisso.

Resultado: surge assim um amor consistente e uma ligação inquebrável. Está bem que o desejo sexual foi diminuindo, mas, em compensação, surgiram outros componentes essenciais para se viver em união: maturidade, amizade, respeito e, claro, companheirismo.

5. Relacionamento Vazio

Este é o relacionamento típico de alguns dos nossos antepassados ou de algumas culturas (menos evoluídas). Falamos dos casamentos arranjados, em que os noivos nem se conheciam.

Receba nossos melhores artigos uma vez por semana em seu e-mail 🙌

Nestes casos, é muito complicado haver amor — pra falar verdade eu acredito que nem exista.

Também é muito comum em casamentos que acabaram por se desgastar e mantêm-se apenas por comodismo e para manterem uma certa segurança financeira e/ou status. Infelizmente, há mais relações deste tipo do que imaginamos…

6. Relacionamento Carnal

Apenas sexo, mais nada. Aqui só há o claro propósito de aliviar o stress dando vazão a um dos instintos mais primários. Trata-se de uma relação irregular e sem afeto.

Dura normalmente uma noite ou acontece durante alguns encontros furtivos e selvagens, mas raramente vai além disso. Não há a intimidade antes ou depois que poderia desencadear a paixão. Seja como for, para muita gente funciona como terapia.

Atenção: ninguém está aqui criticando quem se identifica com o relacionamento carnal.

7. Relacionamento Pleno

Este é o grau mais elevado do relacionamento! É o auge da intimidade, paixão e compromisso. Isso não quer dizer que esteja ganho para sempre. Este amor deve ser muito bem cuidado.

Imagine um bonsai, que tem de ser mimado e trabalhado todos os dias. Assim é este sentimento. Deve “viver e morrer” por ele. Embora seja difícil chegar a este nível, é ainda mais difícil mantê-lo para sempre.

Não caia na rotina, descuido ou preguiça. Se isso acontecer, a sua história pode acabar antes do que deseja. Este relacionamento é, sem dúvida, o melhor de todos, mas pode acabar por se transformar em algum dos outros se for negligenciado.

Lembre-se que o tempo passa e tudo se transforma. Aconselhamos que tente manter o relacionamento pleno, já que é, sem dúvida, o mais gratificante.

E agora, já sabe em que patamar o seu relacionamento se encontra? Então cuide muito bem dele. Com respeito, dedicação e gosto pelo sexo, você conseguirá mais rápido do que imagina chegar ao relacionamento pleno, o mais desejado.

Depois, é só deixar-se levar por ele. Até porque o amor é viciante. Sabia?! E como o amor da sua vida é para estar coladinho com você, abrace-o e jamais deixe que ele se vá.

Gostou desse post? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe com seus amigos 🙂

Veja também:

10 coisas que você precisa ter em mente para que seu Relacionamento dê Certo

Material com base no site zankyou.pt

Compartilhe esse post:

Deixe seu comentário: