Da eternidade para a eternidade | Me Apaixonei

Da eternidade para a eternidade

820
0
Compartilhe:

Desfiz aquele embrulho que não te entreguei. O papel ainda cheirava o perfume que eu esperava que sentisse e a nostalgia desse momento não fez o menor sentido. Abri a caixa, achei lá no fundo o que tinha escrito naqueles tempos, que terminava com um “da eternidade para a eternidade”.

Parei… Não tinha nada de passado naquilo, tudo ainda se passava e desfazer o embrulho não desfez a sensação. Reli a mensagem daquela caneca que ainda se parecia tanto com a imagem que guardei de você. Rasguei aquela mensagem inútil. Rasguei o embrulho. Guardei a caneca, tapei a caixa, pus tudo de volta na gaveta onde deixei por tanto tempo. Fiquei pensando se um dia tudo isso chegará até você, se aí, de onde existe hoje na minha vida, poderia sentir o que esse simbolismo quis dizer.

Fiquei imaginando se tudo isso um dia poderia ser expressado. Não era o embrulho, a caixa, a caneca ou aquela meia dúzia de palavras transcritas que você nunca leu. É tudo isso. Isso tudo que eu demonstrei ou quis demonstrar, que falei ou quis falar, que senti ou não quis sentir, e que agora, nessa caixa num canto da gaveta ainda exalando esse perfume, me parece nostálgico e tão sem sentido…

Aí lembrei porque me senti motivada a escrever: “da eternidade para a eternidade”, e depois de fechar a gaveta e te guardar lá dentro, pensei que é leve, bom, embora às vezes confuso e em alguns momentos melancólica essa sua ausência presente em minha vida, essa presença sempre ausente.

Fechei a gaveta. Mas você não cabe ali dentro. E esse amor que te tenho é grande demais para caber num embrulho, porque veio da eternidade e é para lá que ele vai.

O embrulho não vai… Nem posso eu usar aquilo que era tão seu. Mas daí onde está, sei que não precisa do material para saber de nada disso. Porque existe aquilo que a gente sente no não dito, mas ainda assim insisto, na esperança que ecoe o que tenho a dizer: eu amo você, da eternidade, para a eternidade.

Enviado por Luciana Marques

Você escreve? Envie seu texto clicando aqui

Deixe seu comentário: