Amor não é um sentimento, é uma escolha

856
3
Compartilhe:
Compartilhe esse post:

www.freepik.com

Então, estou aqui hoje para te trazer algo que é um pouco confuso: Amor.

O que é realmente? O que isso significa para nós? Por que às vezes dói tanto?

Estas são perguntas para as quais não tenho respostas perfeitas. Mas no início desta semana, eu estava tendo uma conversa com uma amiga minha sobre um novo relacionamento que ela acabou de iniciar.

Ela compartilhou comigo que, no curto período de tempo em que se conheceram, ficaram tentados a assumir de cara a relação. Para mim, isso parecia emocionante. Mas para ela, não era a hora certa ainda.

Enquanto eles conversavam sobre seus sentimentos em potencial, ela fez questão de esperar mais algumas semanas para pensar antes de discutir o assunto novamente. Eu me perguntei por que eles tiveram que pensar sobre isso se já sabiam, e foi então que ela fez uma declaração que me atingiu com mais força do que eu pensava: O amor é uma escolha.

E então percebi que ela não estava preocupada se sentia ou não a “emoção” do amor, mas sim se eles estavam realmente prontos para fazer a escolha do amor.

VEJA TAMBÉM:

Eu estava impressionada, honestamente. Simplesmente fazia muito sentido. E então, esta semana, continuei pensando sobre o assunto.

Depois de meditar sobre isso, acho que no fundo eu acreditava que o amor era uma escolha, mas na superfície da minha mente, eu o entendia simplesmente como uma emoção. Eu não tinha ideia do quão pouco estava reduzindo o amor ao fazer isso.

As emoções são fugazes, estão em constante mudança, incrivelmente imprevisíveis e extremamente instáveis. Se o amor fosse simplesmente uma emoção, ele não faria bem a ninguém. Seria muito mais prejudicial do que satisfatório. Mas para aqueles que o administram bem, ele é uma bênção.

É muito mais um esforço consciente para buscar o melhor do seu parceiro, para fazer o que estiver ao seu alcance para satisfazer seu(sua) marido(esposa)/namorado(a) e encorajá-lo(a) a se tornar uma pessoa melhor.

VEJA TAMBÉM:

O amor tem a ver com suas intenções — se elas são para servir a outra pessoa e querer o melhor para ela, não importa o custo para você, você está escolhendo o amor. E essa é a única maneira de fazer isso.

O amor não é algo que você só se lembra quando as coisas vão bem. É algo que só se prova e se fortalece com os desafios que a vida em casal nos impõe.

Dê uma olhada em seus pais, por exemplo. Quando você nasceu, você literalmente não tinha nada a oferecer a eles, por si só. Você não podia fazer nada a não ser chorar, comer e fazer cocô. Mesmo assim, seus pais escolheram o amor (espero) e trocaram suas fraldas, te alimentaram, te abraçaram e te conduziram, passo a passo, até a idade adulta.

Provavelmente, você usou muitos dos recursos deles emocionalmente, financeiramente e fisicamente, coisas que provavelmente nunca será capaz de reembolsar integralmente. E ainda assim, eles escolheram colocar uma grande parte de seu propósito em te moldar, quer fizessem um trabalho perfeito ou não.

Um exemplo ainda maior disso é Jesus. Sim, eu falo muito sobre Jesus. Tudo o que Ele viveu ressoa com nossa dor, que assumiu carne humana para entendê-la, que implorou por misericórdia para aqueles que Ele veio salvar, ainda sabendo que nós o rejeitaríamos, espancando-o a ponto de uma morte humilhante na cruz.

VEJA TAMBÉM:

O amor é uma escolha, e uma escolha que você também deve fazer por si só.

Escolha não apenas amar seu parceiro, mas escolha amar a si mesmo(a) antes de tudo. Muitas vezes esquecemos que o amor é uma disciplina e, portanto, nossa principal fonte de empatia. Devemos praticar o amor fielmente para entendê-lo e saber como verdadeiramente entregá-lo de uma forma que dê vida a ambas as partes e não apenas a uma.

Encontrar o equilíbrio é difícil — eu sei. Eu me pego falhando com isso o tempo todo. Mas, por favor, não desista de escolher o amor. Apenas certifique-se de persegui-lo por longevidade, verdade, paz e realização mútua. Não como um passa tempo, um esforço espontâneo, um curativo temporário em uma ferida que ainda sangra, uma distração.

O tipo de dor eterna que espera por você do outro lado de um coração partido não vale a pena. Você pode conhecer suas intenções, mas não conhece as dos outros. Não mergulhe, não importa o quão incrível possa parecer no início. Porque de vez em quando o mergulho funciona. Mas com muito mais frequência, ele só faz você cair de cabeça no fundo.

Compartilhe esse post:

Deixe seu comentário: