Difícil é ter que matar a tua saudade em outras bocas.

Às vezes eu caminho na rua e sinto o cheiro do teu perfume em outro alguém. Será a saudade gritando o teu nome? Me lembro das madrugadas que passávamos sorrindo e gargalhando. Me lembro da tua voz quando vejo alguém falando aquela gíria que era do teu costume. E lembro de quando eu era o teu colo, e no meu cafuné tu dizia estar segura. Tu sorria, por nos meus braços confiar e não ter medo de nada. Era uma reciprocidade tão intensa que, para quem estava observando, parecia ser clichê. Gostávamos da mesma série, e até do mesmo personagem. … Continue lendo Difícil é ter que matar a tua saudade em outras bocas.